Graça Futura

graca futura2
por John Piper

A gratidão é uma emoção saudável para a adoração, mas é um motivo perigoso para a obediência. Somos ordenados em termos explícitos a sermos agradecidos: “Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração… e sede agradecidos” (Cl 3.15). “Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (1 Ts 5.18). Como podemos não ser agradecidos quando devemos tudo a Deus?

Mas, no que concerne à obediência, a gratidão é um motivo perigoso. Tende a se expressar em termos de dívida — ou no que às vezes chamo de ética de devedor. Por exemplo: “Veja o quanto Deus tem feito por você. Motivado por gratidão, você não deveria fazer muito por Ele?” Ou: “Devemos a Deus tudo o que temos e somos. O que temos feito por Ele, em retribuição?”

Encontro, pelo menos, três problemas nesse tipo de motivação. Primeiro, é impossível pagarmos a Deus por toda a graça que Ele nos tem dado. Não podemos nem mesmo começar a pagar-Lhe, visto que Romanos 11.35-36 afirma: “Quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído? [Resposta: ninguém.] Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente”. Não podemos restituir a Deus porque Ele já possui tudo o que temos para lhe dar.

Segundo, ainda que fôssemos bem-sucedidos em compensar a Deus por todas as suas graças para conosco, seríamos bem-sucedidos apenas em tornar a graça uma transação comercial. Se pudéssemos pagar-Lhe, a graça não seria graça. “Ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e sim como dívida” (Rm 4.4). Se tentássemos negociar com Deus, anularíamos a graça. Se os amigos tentam mostrar-lhe um favor especial, de amor, convidando-o para jantar, e, ao fim da noite você diz que os recompensará, recebendo-os na próxima semana, você anula a graça de seus amigos e a transforma em comércio. Deus não gosta de ter sua graça anulada. Ele gosta de tê-la glorificada (Ef 1.6, 12, 14).

Terceiro, focalizar a gratidão como um elemento que capacita a obediência tende a menosprezar a importância crucial da graça futura. A gratidão olha para trás, contempla a graça recebida e sente-se grata. A fé olha adiante, vê a graça prometida para o futuro e sente esperança. “A fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem” (Hb 11.1).

A fé na graça futura é o poder para a obediência que preserva a agradável qualidade da obediência humana. A obediência não consiste em recompensar a Deus e, assim, tornar a graça em comércio. A obediência resulta da confiança de que Deus nos dará mais graça — graça futura — e esta confiança magnifica os infinitos recursos do amor e do poder de Deus. “Trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo” (1 Co 15.10). A graça que capacitou Paulo a trabalhar muito, em uma vida de obediência, consistia na chegada diária de novos suprimentos de graça. É nisto que a fé confia — a contínua chegada de graça. A fé contempla promessas como: “O Senhor, teu Deus, é contigo por onde quer que andares” (Js 1.9) e, nessa confiança, a fé se aventura, em obediência, a tomar a promessa.

O papel bíblico da graça passada — especialmente a cruz — é garantir a certeza de graça futura: “Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou [graça passada], porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas [graça futura]?” (Rm 8.32) Confiar na graça futura é a força que capacita a obediência. Quanto mais confiamos na graça futura, tanto mais damos a Deus a oportunidade de mostrar, em nossa vida, a glória de sua inesgotável graça. Portanto, aproprie-se da promessa de graça futura e, com base nessa promessa, pratique um ato de obediência radical. Deus será poderosamente honrado.

Extraído do livro: Uma Vida Voltada para Deus, de John Piper.
Copyright: © Editora FIEL

PERSEVERANÇA

perseveranca

Perseverança não é um assunto popular em nossa sociedade apressada e imediatista. Ao longo da vida frequentemente precisamos fazer uma escolha: perseverar e ir até o fim ou tomar um atalho. Muitos preferem a decisão fácil de um desvio quando o resultado não vem tão depressa quanto desejado.

Sempre tenho escolhido o “caminho menos trilhado”. É um caminho mais desafiador, mas é também mais recompensador quando se atinge o objetivo. Meu amigo Chris Edges é um excelente exemplo.

Conheci Chris quando ele fazia sua primeira turnê para divulgação de seu inspirador livro, Average Joe’s Story: Quest for Confidence [A História de um Homem Comum: Em Busca da Autoconfiança]. Chris vem lutando contra o câncer desde que se formou na Universidade. Ao terminar sua jornada nacional de 32.000 quilômetros para divulgação do livro, ele “celebrou” passando 10 dias no hospital. Ele já está trabalhando no seu segundo livro. Não ficarei surpreso se alguém o apelidar de “Sr. Perseverança”. Talvez eu tenha acabado de fazê-lo!

Não conheci Charles “Tremendo” Jones. Mas são muitas as histórias desse corretor de seguros que virou palestrante motivacional. Escreveu nove livros motivacionais e aos 80 anos ainda dava palestras. Em 2008 ele deixou este mundo. Uma de suas conhecidas citações é: “Ninguém é mais persistente do que o vendedor de seguros.”  E ele sabia disso de primeira mão.

Há uma pessoa que verdadeiramente se destaca para mim como síntese de perseverança: Jesus Cristo. Ele é Senhor e Salvador para muitas pessoas. Um dia todos nos prostraremos diante Dele. Isaías 50:7 afirma:

“Porque o Senhor, o Soberano, me ajuda, não serei constrangido. Por isso eu me opus firme como uma dura rocha, e sei que não ficarei decepcionado.”

Quando considero as provações que Jesus enfrentou como Deus encarnado, perseverar através das provações que eu encaro na vida parece irrelevante.

Jesus dá aos Seus seguidores poder para perseverar, nos encorajando todos os dias com seu Espírito, quando nos atrapalhamos tentando viver nesta Terra conturbada. A vida não é fácil sob nenhuma circunstância. Mas a minha seria muito mais difícil sem Sua presença.

Talvez muitos que estejam lendo este “Maná” tentam atravessar a vida por si mesmos. Contudo, como “cliente satisfeito” de muitos anos, afirmo que há grande fortalecimento ao perseverar através do relacionamento com Jesus.

É a minha enfática recomendação!
Texto de autoria de Jim Langley, agente e perito em seguros de vida (CLU), da New York Life, desde 1983. Membro ativo do CBMC Santa Bárbara, Califórnia, desde 1987.

 Questões para reflexão ou discussão

  1. Qual a sua tendência, perseverar nas adversidades ou mudar de direção, se houver oportunidade?
  2. Por que perseverança é tão difícil de cultivar e somos inclinados a escolher o caminho que oferece menor resistência?
  3. Em alguma ocasião você decidiu perseverar teimosamente, ignorando o desestímulo, e foi recompensado por isso?
  4. O relacionamento com Deus pode fazer diferença na decisão de perseverar apesar das adversidades? Conhecer Deus faz diferença?

Desejando considerar outras passagens da Bíblia relacionadas ao tema, sugerimos:

Filipenses 3:13-14;

II Tessalonicenses 3:5;

Hebreus 10:36-39;12:1;

Tiago 1:12.

OUVIR A VOZ DE DEUS!

voz de Deus

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem”.

João 10:27


Jesus nos fala, nesse capítulo do evangelho de João, sobre o pastor e suas ovelhas. O ladrão pode vir, mas suas ovelhas não o seguirão, pois reconhecem somente a voz do seu pastor.

Ora, se nós somos suas ovelhas, será que temos agido dessa forma, ou eventualmente nos deixamos confundir pelos ruídos e distrações à nossa volta?

Será que sabemos reconhecer Sua voz em meio ao turbilhão do nosso dia-a-dia?

Deus disse: “Aquietai-vos e saibam que eu sou Deus”. Às vezes, basta permanecermos um tempinho, após as orações diárias, aquietando nosso coração para que, ao menos nesse momento, tentemos ouvir a voz do Espírito Santo. Ele fala conosco constantemente, mas poucas são as vezes em que percebemos.

‘Clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece’.

Jeremias 33:3

É promessa de Deus, se clamarmos a Ele, nos responderá, mas precisamos estar prontos para ouvi-Lo.


Senhor, que eu saiba reconhecer Sua voz, em meio ao caos, para que eu possa segui-la e estar sempre no Teu caminho.

Daniele Mary Ashikaga Bernini

MEU PAI!

dani e pai

Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.”

Filipenses 4:6-7


Quando meu pai sofreu um infarto, eu era a ansiedade e a preocupação em pessoa; orei muito, supliquei muito a Deus que o salvasse, que permitisse que ele vivesse mais.

Deus atendeu ao meu primeiro pedido ao permitir que ele permanecesse um tempinho calmo e lúcido o suficiente para que eu fizesse o convite, por ele, para que Jesus habitasse em seu coração para ser seu único senhor e salvador, ao que ele respondeu meneando a cabeça, de leve, em meio aos tubos que o mantinham respirando, sinalizando um “sim”. Ao final da oração, balbuciou um “amém”.

Glória a Deus por isso!

Então eu senti a paz de Deus. Embora houvesse tristeza pela piora constante, pelo agravamento do quadro e mais tarde, quando ele faleceu, a dor, a saudade, a tristeza por não poder mais abraçar, conversar ou simplesmente cuidar, no fundo havia um sentimento de paz. Inexplicável aos olhos de muitos, esse sentimento veio da certeza de que meu pai, a quem amo, estava no melhor lugar, como está escrito:

“Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam”

1 Coríntios 2:9


Jesus, te louvo e te agradeço por me dar Sua paz, que excede qualquer entendimento.

Daniele Mary Ashikaga Bernini

ESTAR COM JESUS


estar com jesus3.1
Vendo a coragem de Pedro e de João, e percebendo que eram homens comuns e sem instrução, ficaram admirados e reconheceram que eles haviam estado com Jesus”.

Atos 4:13


Pedro e João viveram algum tempo com Jesus, tendo o privilégio de tê-lo como mestre, e que privilégio!

E nós? Não temos essa oportunidade? Claro que sim! Em João 14:16-17 Jesus diz:

“E eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro Conselheiro para estar com vocês para sempre,
o Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vocês o conhecem, pois ele vive com vocês e estará em vocês”.
O espírito santo de Deus pode habitar em nós, mas como conseguir isso? Preciso me preparar, me purificar, mudar minha vida?

Não, não precisa fazer nada disso, basta abrir a porta do seu coração e deixar que Ele, nosso senhor e salvador entre e faça Sua obra, “para que Cristo habite em seus corações mediante a fé”. Efésios 3:17

Ele não nos escolhe por nosso grau de instrução, nível social, aparência ou competência, mas porque ele vê em nós aquilo que nós não vemos, o potencial do nosso coração e, se permitirmos, ele fará as mudanças necessárias, ao seu tempo.


Jesus, te louvo e te agradeço por bater à minha porta, pois agora posso te chamar de Pai, aba Pai!

Daniele Mary Ashikaga Bernini

O LADO BOM DAS COISAS

coisas boa da vida2

“Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas”.

Filipenses 4:8


Quando escreveu essa carta aos irmãos de Filipos,  o apóstolo Paulo estava preso por divulgar o evangelho de Jesus. Apesar disso, ele se diz feliz, pois para ele, “o viver é Cristo e o morrer é lucro”.

Nossa vida humana é finita, nossa eternidade é Cristo.

Então, temos duas escolhas – viver com nosso foco nos problemas, deixando a vida passar, ou viver a vida e deixar os problemas passarem. A cada um cabe a sua escolha. Diante da nossa efemeridade neste mundo, só levaremos para a eternidade as nossas lembranças. Que lembranças você quer ter? Dos problemas ou da vida em Cristo Jesus?


Pai, acalme meu coração para que eu possa manter o foco em ti e no que é bom neste mundo. As coisas ruins não são dignas de destaque, mas o teu amor e a tua paz sim, essas coisas eu quero para mim.

Daniele Mary Ashikaga Bernini